NOTÍCIAS

Direto da Assembleia

Fórum do Setor Energético: Presidente da Comissão de Minas e Energia, Virmondes comanda importante reunião de trabalho

 

A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) realizou na manhã desta segunda-feira, 29 de abril, no Auditório Solon Amaral, a 20ª reunião do Fórum Permanente de Assuntos Relacionados ao Setor Energético. Presidente da Comissão de Minas e Energia da Alego, o deputado Virmondes Cruvinel (Cidadania) fez avaliação positiva da retomada das atividades do Fórum nessa reunião, a primeira comandada por ele nessa 19ª Legislatura. Participaram, também, os deputados Wagner Neto e Alysson Lima.

Virmondes Cruvinel fez a abertura do encontro falando sobre as diretrizes institucionais do Fórum e ações estratégicas para o desenvolvimento do setor energético no Estado. Destacou o trabalho realizado pelo ex-deputado Simeyzon e frisou que vai dar sequência a ele, sempre buscando unir “Poder Legislativo, entidades, setor produtivo, representantes institucionais e, principalmente, a participação permanente do Poder Executivo e dos órgãos públicos em geral para encontrar saídas para o setor energético em nosso Estado”.

O deputado ressaltou a dedicação dele nos dois primeiros meses em que assumiu a presidência do Fórum para ouvir as considerações que pudessem colaborar para dinamizar as ações. “E uma das definições para isto é que a partir de maio faremos encontros mensais, na última sexta-feira de cada mês, em locais variados que tenham também o compromisso de diálogo com os componentes do Fórum”, explicou, dizendo ainda que está analisando o ingresso de novos membros ao Fórum que também possam colaborar com as ações do grupo.

Esforços permanentes

Em seguida, Simeyzon Silveira, diretor de Assuntos Institucionais da Casa, falou sobre a relevância do Poder Legislativo para a evolução da pauta emergente sobre a política energética em Goiás. Ressaltou que, graças ao esforço permanente, em conjunto com os demais componentes, foi possível avançar e fazer nascer um setor em Goiás.

Simeyzon disse que sentiu-se feliz em ver o auditório lotado e saber que está sendo dada sequência ao trabalho que começou. “Precisamos agora arrebanhar outros parceiros para que o tema continue vigorando. Não tenho dúvidas de que o time é agora mais forte do que antes, e da minha parte sempre terão o meu comprometimento com o mesmo. Não adianta pensar em qualquer tipo de desenvolvimento de nosso Estado, sem pensar no desenvolvimento de uma matriz energética forte, e precisamos fazer com que essa mola propulsora se estabeleça de forma sadia e saudável.”

O deputado Wagner Neto fez uso da palavra e lembrou que ao andar pelo Estado é impossível não se deparar com inúmeros problemas na área de energia. O deputado destacou como exemplo produtores de leite, de frango, comerciantes e demais membros da cadeia produtiva que dependem do fornecimento de energia para desenvolverem seu trabalho.

“Sabemos que os problemas existentes na sociedade serão sanados com a união de forças. E esse tema do setor energético tem muito o que avançar. O trabalho foi iniciado e agora temos que trabalhar na eliminação do gargalo energético, que é uma realidade no Estado”, disse Wagner.

O deputado lembrou que em Itapuranga, sua principal base eleitoral, já há uma autorização para a construção de uma usina fotovoltaica. “Já estive na Secretaria de Industria e Comércio, buscando investimento através do Fundo de Financiamento do Centro-Oeste (FCO), no valor de 12 milhões a 15 milhões de reais e estamos formalizando esta implantação em termos de cooperativa. Há ainda projeto de lei apresentado aqui na Casa e que dá incentivo ao desenvolvimento de produção energética através de fontes renováveis.”

O deputado Alysson Lima falou em seguida e disse que, ao pesquisar sobre instalação de energias alternativas para sua própria residência, se deparou com um dos grandes empecilhos para o desenvolvimento de setor, que é o alto custo dos produtos alternativos. Ele destacou a realidade como inacessível para a comunidade em geral, principalmente a de baixa renda.

“Em alguns lugares, como, por exemplo, na Chapada Diamantina (Bahia) há um fomento na produção de energia eólica. Em Goiás é praticamente inexistente e é nesse sentido que temos que trabalhar, para diminuir a degradação ambiental e tornar mais viável o acesso ao público em geral destas fontes alternativas. Este é o grande desafio deste Fórum, no meu entender”, ressaltou Alysson.

Parceria entre os poderes

Adriano Rocha Lima, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e Inovação, ressaltou a importância do Fórum e da iniciativa que permite, através deste, desenvolver parceria entre os Poderes, a sociedade e o mundo empresarial em geral. Segundo o secretário, ao falar sobre Ciência e Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de Goiás, não há como pensar em caminhos se não houver infraestrutura básica para que tudo funcione.

“São necessários investimentos de curto e longo prazo, tanto na área de expansão de rede, como nas áreas de manutenção e atendimento ao consumidor. Goiás vem sofrendo há muito com esse tema, e é urgente enfrentar o problema ou o Estado não sairá desta situação e não aproveitará a oportunidade real existente de desenvolvimento”, pontuou Adriano.

A coordenadora executiva do Fórum de Energia Renováveis, Danúsia Arantes Ferreira abordou aspectos de governança, ações estratégicas e uma agenda positiva para o Fórum em 2019. Salientou que hoje é possível afirmar que existe em Goiás um ecossistema do setor energético montado e com alta capacidade de gestão e governança.

“Quando assumimos este trabalho, sabia que era uma pauta importante e com grandes desafios”. Ela salientou a importância da reunião do Fórum para dar voz e vez aos representantes da sociedade civil organizada, de federações, universidades, associações, entidade de classe, organizações não governamentais e do setor produtivo, para tratar de maneira eficaz questões emergentes para o setor. Adiantou que os dados levantados nessa reunião servirão para fundamentar o planejamento estratégico para 2019/2022.”, disse Danúsia.

Franqueada a palavra a todos os presentes, alguns técnicos e empresários ressaltaram a importância do Fórum, sendo que alguns buscaram oferecer suas contribuições. Um ex-gerente de obras da Agehab disse que Goiás já aparece como referência em energia solar em nível nacional. Ele frisou que é uma das mais democráticas e socialmente acessíveis para consumidores de todas as classes sociais.

A reunião abordou também questões empresariais, de geração e distribuição, bem como do fomento de fontes renováveis e alternativas para o Estado, bem como os gargalos do setor.

Presidida por Virmondes Cruvinel, a mesa dos trabalhos foi composta pelas seguintes autoridades: Adriano Rocha Lima, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico e Inovação; Danúsia Arantes Ferreira, coordenadora executiva do Fórum de Energia Renováveis e vice-diretora acadêmica da Faculdade Senac de Goiás; deputados Alysson Lima (PRB) e Wagner Neto (Patriotas) e Simeyzon Silveira, diretor de Assuntos Institucionais da Alego. Ainda participaram Lourival Fonseca, integrante do Fórum, e o diretor institucional do Fórum de Energias Renováveis, Júlio César.

Virmondes disse que fará os encontros mensais com entidades como OAB e Crea para debater a respeito de melhorias no âmbito da Enel e alternativas para o setor energético em Goiás, de modo a trazer desenvolvimento.

 

(Com informações da Agência de Notícias da Assembleia Legislativa de Goiás – Alego / Fotos: Carlos Costa)